Cronologia da Música Ocidental

4000 a.C.  Escavações arqueológicas no Iraque descobriram cerâmicas sumérias com gravações cuneifornes que indicavam que os tambores, lira e flautas faziam parte da música. Registros cuneiformes mostram que a Suméria já possuía sistemas de escalas diatônicas, organizadas em alternâncias de quartas e quintas para seus primitivos cordofones.

4000 a.C.  Tambores, harpas e flautas são comprovadamente conhecidas no Egito.

3500 a.C.  Liras e clarinetas são tocadas no Egito.

3000 a.C.  Os músicos da corte chinesa tocam a primeira flauta de bambu.

2500 a.C.  Os chineses tocam suas músicas em escalas de cinco tons.

2000 a.C.  Trompetes são populares na Dinamarca, com registros comprovados.

2000 a.C.  Instrumentos percussão são adicionados à musica orquestral egípcia.

1500 a.C.  Os hititas usam guitarras, liras, trompetes e tamborins rudimentares para fazer música.

1000 a.C.  Músicos profissionais produzem músicas de fundo para os cultos religiosos em cerimônias religiosas de Israel.

800 a.C.  Escalas Tonais de cinco e sete notas já são conhecidas na Babilônia.

800  a.C.  Registro da primeira música em escrita cuneiforme na Suméria: um hino registrado em uma tablita de argila.

750 a.C.   A música é popular no dia-a-dia da Grécia. A música coral e dramática se desenvolvem. Os cantores itinerantes são conhecidos como rapsodes, e viajam de cidade em cidade.

700 a.C.  A flauta e a lira são os instrumentos mais populares de acompanhamento musical grego. Aparece, com registro, a primeira lira de sete cordas.

700 a.C.  Terpander, músico e lirista de Lesbos, escreve peças para voz com acompanhamento de instrumentos.

700 a.C.  Arion, compositor e poeta grego, introduz na Poesia a estrofe e a antístrofe (a segunda parte da ode antiga).

600 a.C.  Pitágoras estuda as relações harmônicas musicais e introduz o conceito da oitava nas escalas tonais.

600 a.C.  Os conceitos dos modos musicais surgem.

600 a.C.  O instrumento de cordas vina aparece na Índia, com duas cabaças de ressonância acopladas a um braço. Considera-se este o ancestral dos instrumentos da família dos violinos e alaúdes.

500 a.C.  A música coral grega atinge o seu ápice.

 500 a.C.  Aparecem na Grécia dois instrumentos musicais: o aulos (uma flauta dupla com palheta) e a cítara.

400 a.C.  Por esta época os concursos de trompete são comuns na Grécia.

340 a.C.  Aristóteles divulga as suas Leis Fundamentais da Teoria Musical.

320 a.C.  O filósofo e músico Aristoxenes afirma que as notas de uma escala não devem ser julgadas por proporções matemáticas, como faziam os músicos e filósofos pitagóricos, e sim pelo ouvido. De seus tratados matemáticos, se conservaram dois livros dos Elementos de Harmonia e alguns fragmentos dos Elementos da Rítmica.

 50 a.C.  Primeiro registro confiável de um instrumento parecido com o oboé, em Roma.

 60 a.C.   A oitava de uma escala musical chinesa passou a ser dividida em 60 notas.

100 d.C.  Os primeiros cristãos entoam os Salmos de modo monofônico.

350 d.C.   Fundação da Schola Cantorum para as canções da Igreja, ainda perseguida.

500 d.C.  Tubas, tambores e flautas começam a ser usadas no Peru.

520 d.C.  Boethius começa a divulgar a Notação Musical Grega nos países do Ocidente.

600 d.C.  O Papa Gregório I (540/604) ordena a compilação dos chants religiosos, denominada Antiphonar, iniciando aí o hábito de se cantar os Salmos nas missas e ofícios religiosos. Gregório I estabelece oficialmente a Schola Cantorum em Roma.

610 d.C.   Aparece o Crwth, instrumento de cordas celta, entre as comunidades ocidentais.

650 d.C.  As primeiras pautas eram, na verdade, anotações colocadas sobre as letras das canções, sendo denominadas neumas, e não indicavam valor de tempo ou de altura das notas. Serviam para orientar as inflexões que deviam ser adotadas nas músicas, que praticamente eram recitadas. Os primeiros neumas que se tem notícia foram aramaicos.

750 d.C.   O Canto Gregoriano é cantado na Alemanha, França e Inglaterra.

800 a.C.   Os órgãos tubulares com foles de ar, originais de Bizâncio, começaram a substituir os órgãos hidráulicos europeus, que usavam uma roda d’água externa para comprimir o ar necessário para os tubos.

790 d.C.  Escolas de música sacra são estabelecidas em Paris, Colônia, Soissons e Metz, todas sob supervisão da Schola Cantorum de Roma.

860 d.C.  Aparecem os primeiros sinais de composições polifônicas, empregando os contrapontos.

900 d.C.  Primeiras composições musicais utilizando os conceitos de quartas, quintas e oitavas.

950 d.C.  Primeiros registros de existência de flautas transversais, no Império Bizantino.

980 d.C.  Um órgão de 400 tubos foi concluído no Monastério de Winchester.

980 d.C.  Divulgado o Antiphonarium Codex Montpellier, importante manuscrito de teoria musical.

990 d.C.   Continua em desenvolvimento a sistematização de uma notação musical eficaz.

1000 d.C.   Guido d’Arezzo divulga sua própria Notação Musical. Os neumas foram substituídos por ela para representar as alturas das notas musicais, suas durações e o compasso da música, útil nos ensinamentos de música e no Canto Gregoriano. Arezzo criou o tetragrama (quatro linhas e três espaços) onde eram aplicados sete pequenos quadrados representando as sete notas musicais conhecidas, cujos nomes foram tirados por ele de um hino a São João Batista, padroeiro dos músicos:

Ut queant laxit (Com o passar do tempo o Ut foi substituído pelo Dó).
Ressonare fibris
Mira gestorum
Famuli tuorum
Solvi polluti
Labii reatum
Sancte Ioannes

O tetragrama seria empregado até o século XIV, quando uma quinta linha foi adicionada para se criar o pentagrama atual. Abaixo alguns exemplos de tetragramas usados para os Cantos Gregorianos (Chants).

1026  Guido d’Arezzo introduz o solfejo na música (já com os nomes das notas Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá, Si). A palavra solfejo vem da pronúncia das notas Sol e Fá.

1050  As canções polifônicas substituem aos poucos o Canto Gregoriano (Chants).

1050  A harpa chega à Europa.

1100   Aparecem a primeiras músicas seculares, de cunho popular e anteriormente proibidas pela Igreja.

1125    Trovadores viajam por toda a Europa levando suas músicas e poesias.

1150  Diferentes formas de danças são criadas na França e Principados Germânicos.

1200   Os primeiros bardos profissionais chegam à Irlanda. Os címbalos chegam à Europa.

1200  Carmina Burana, a famosa coleção germânica de canções monásticas é composta.

 1250  O portatio, pequeno órgão portátil, é inventado.

1262  Adam de la Halle escreve a primeira operette francesa: Le Jeu de la Feuillée.

1265  Franco de Cologne e Pierre de la Croix desenvolvem o formato do moteto.

1300  Nasce  Guillaume de Machaut em Reims, França, um dos mais profícuos compositores da Idade Média, responsável por dezenas de músicas das mais variadas naturezas, entre elas a Messe de Notre Dame, uma das mais expressivas músicas da Idade Média, usando a polifonia em toda a sua potencialidade. Mais tarde tornou-se cônego de Reims, tendo contribuído para a criação de vários estilos musicais, como o rondó, o virelai e a balada.

1309   Marchettus de Padua propõe a introdução do contraponto na música sacra.

1322  O papa proíbe o contraponto nas músicas de igreja.

1329  Phillipe de Vitry chancela o nome Ars Nova para o novo e forte estilo contrapontual de música.

1350  Grupos musicais de Viena, Florença, Inglaterra e dos Principados Germânicos usam a Flauta em Ré, junto com outros instrumentos, tais como violas, alaúdes, clavicórdios, trombones, a rabeca e a dulçaina.

1350   O clavicórdio, o címbalo e o alaúde tornam-se populares em toda a Europa.

1377  Morre o compositor Guillaume de Machaut, inovador musical e cônego.

1400  Primeira referência escrita sobre o instrumento musical dulcimer.

1465   Publicação da primeira música impressa.

1490  O ballet começa a ser dançado na corte italiana.

1490  Franchino Gafori publica seu tratado Practica Musica de composição musical.

1499  A Universidade de Oxford institui o curso de graduação em música.

1500  Ottaviano de Petrucci (Veneza) imprime partituras usando tipos móveis.

1500  O primeiro Livro de Missas de Josquin des Pres é publicado por Ottaviano de Petrucci.

1510  O segundo Livro de Missas de Josquin des Pres é publicado.

1520  O terceiro Livro de Missas de Josquin des Pres é publicado

1540  O Livro de Canções com Acompanhamento de Alaúde é impresso na Espanha.

1540  Os primeiros Conservatórios de Música são criados em Nápoles (para meninos) e Veneza (para meninas).

1547  Um monge suíço, Henrique de Glaro ou Henricus Glareanus, num livro chamado Dodecachordon, propôs uma teoria segundo a qual deveria haver historicamente doze Modos, em vez de oito. Ele acrescentou os modos em Lá e Dó (nenhum em Si), com as suas formas plagais: I – Dórico, II – Hipodórico, III – Frígio, IV – Hipofrígio, V – Lídio, VI – Hipolídio, VII – Mixolídio, VIII – Hipomixolídio, IX – Eólico, X – Hipoeólico, XI – Jônico, XII – Hipojônico.

1550  O violino, em sua forma atual, começa a ser desenvolvido e tomar forma.

1558  As escalas maiores e menores são estabelecidas por Gioseffo Zarlino, em seu trabalho Institutioni Harmoniche.

1562  Gasparo Bertolotti da Salo se muda para Brescia, tornando-se o primeiro grande fabricante de violinos da Itália.

1565   Palestrina compõe a sua magistral Missa Papae Marcelli.

1570  O primeiro festival de música acontece na Normandia, em honra a Santa Cecília.

1600  As harpas são introduzidas nas orquestras sinfônicas.

1606   Realização das primeiras óperas a céu aberto, em Roma.

1620  Monteverdi publica seu 7o Livro de Madrigais.

1620   Publicada a enciclopédia musical de Michael Praetorius: Syntagma Musicum.

1630  A aria e o recitativo tornam-se movimentos distintos nas óperas.

1650   Início da moderna harmonia e desenvolvimento da modulação.

1650   Os formatos das Aberturas emergem em dois tipos: Abertura Italiana e Abertura Francesa.

1650  O oboé, como o conhecemos atualmente, é incorporado à Orquestra Sinfônica, quando desfrutava de grande popularidade entre compositores como Vivaldi, Bach, Händel, Mozart, Schumann e Strauss. Sua origem se perdeu no tempo.

1652  O minueto torna-se moda na corte francesa.

1652   Inauguração da primeira Opera House de Viena.

1656  Inauguração da primeira Opera House de Londres.

1661  Louis XIV cria a Academie Royale di Danse, em Paris.

1664  O corne francês é introduzido como instrumento musical das orquestras.

1666  Antonio Stradivari produz seu primeiro violino Stradivarius.

1671  A Opera de Paris é inaugurada com a obra Pomone, de Robert Cambert.

1674  Nasce Tommazo Albinoni, em Veneza, Itália.

1678  O londrino Thomas Britton, responsável pela cultura regional, introduz os Concertos Semanais em Clerkenwell, Londres.

1678  Inauguração da primeira Opera House de Hamburgo.

1680  Os primeiros balés são levados a público em Londres e Paris.

1685  Nasce Bach (Johann Sebastian), em Eisenach, Alemanha.

1685   Nasce Händel (Georg Friedrich), em Halle an der Saale, na Alemanha.

1690   Johann Christoph Denner acrescenta uma chave para o polegar da mão esquerda em sua charamela, e cria assim o primeiro clarinete.

1704  J.S. Bach escreve sua primeira Cantata: Denn Du wirst meine Seele.

1709   Invenção do pianoforte ou simplesmente piano. Teve sua primeira referência publicada em 1711, no Giornale dei Litterati d’Italia por motivo de sua apresentação em Florença pelo inventor Bartolomeo Cristofori. A partir desta data sucederam-se aperfeiçoamentos até chegar ao piano atual. A essência da nova invenção residia na possibilidade de proporcionar diferentes intensidades aos sons, e por isso recebeu o nome de pianoforte.

1711  O clarinete é usado pela primeira vez em uma orquestra (para a ópera Croesus)

1725  É inaugurada a Opera House de Praga.

1725  Vivaldi compõe As Quatro Estações.

1732   Inaugurada a Royal Opera House de Londres, no local já funcionava uma antiga opera house (1656), no distrito de Covent Garden.

1742  A ópera Messiah, de Handel, estreia em Dublin, para uma entusiasmada plateia.

1750  J. S. Bach morre, e com ele o Período Barroco. Tem início o Período Clássico.

1766  Haydn (Franz Joseph) torna-se mestre capella da família Esterhazy, e trabalha como um escravo, apesar de ter à sua disposição uma grande Orquestra. Durante 30 anos completou para a Capella Esterhazy 108 sinfonias, 68 quartetos de cordas, 47 sonatas para piano, 26 óperas, 4 oratórios e centenas de peças menores.

1762  Glück (Christoph Willibald von) renova a Ópera com a sua obra Orfeu e Eurídice, retornando este estilo aos temas dramáticos.

1770  Nasce Ludwig van Beethoven em Bonn, Alemanha.

1787  Don Giovanni (ópera de Mozart) estreia em Praga.

1797  Nasce Schubert (Franz Peter), em Viena. Dos grandes compositores que moravam na cidade, é o único vienense.

1803   Beethoven produz sua Sinfonia No. 3 – A Heróica.

1803  Nasce Louis Hector Berlioz, na França.

1805   Beethoven completa a sua Sinfonia No. 5, talvez a sinfonia mais popular em todo o mundo.

1809  Nasce Mendelssohn (Jakob Ludwig Felix Mendelssohn Bartholdy), na Alemanha.

1810  Nasce Schumann (Robert), na Alemanha.

1810  Nasce Chopin (Fryderyk Franciszek), na Polônia.

1811  Nasce Liszt (Franz ou Férenc), na Hungria.

 1814    A trompa medieval recebe três válvulas que modificam o caminho percorrido pelo ar dentro do instrumento, alterando a nota emitida. Seu inventor é o engenheiro alemão Heinrich Stoetzel (1780-1844). Não se conhece a data de invenção de suas ancestrais, como a trompa da’caccia.

1818  Beethoven perde definitivamente sua audição, comunicando-se apenas através da escrita.

1826  Mendelssohn escreve a abertura da peça Sonho de uma Noite de Verão.

1832  A carreira de Schumann acaba, com a paralisia de um de seus dedos.

1833  Nasce Johannes Brahms em Hamburgo, na Alemanha.

1838  Nasce George Bizet, em Paris.

1839  É fundada a orquestra New York Philharmonic .

1853  Richard Wagner publica os quatro librettos de O Anel dos Nibelungos: Das Rheingold, Die Walküre, Seigfried e Die Götterdämerung.

1854   Liszt apresenta seu primeiro Poema Sinfônico, um trabalho orquestral em um só Movimento, baseado em um poema ou texto lírico. Acredita-se que o gênero tenha sido criado por ele.

1860   Nasce Gustav Mahler, na Bohemia, Alemanha.

1860  Nasce Isaac Albéniz, na Espanha.

1871  Verdi apresenta a ópera Aida no Cairo.

1874  O Réquiem, de Verdi, sua mais respeitada obra, estreiaem Milão.

1876  Tchaikovsky completa sua ópera O Lago dos Cisnes. Wagner estreia a monumental ópera O Anel dos Nibelungos, de forma completa, no Festival de Bayreuth. A Bayreuth Opera House foi construída para a sua apresentação.

1876  Johannes Brahms completa sua Primeira Sinfonia, após 20 anos de trabalho, tornando-a uma das mais conhecidas em todo o mundo.

1878  Thomas Edison patenteia o primeiro fonógrafo.

1880  Tchaikovsky escreve a Abertura 1812, comemorando a derrota de Napoleão pela Rússia.

1882  A Orquestra Filarmônica de Berlim é criada.

 1883   O Metropolitan Opera House é inaugurado em Nova Iorque.

1890  A ópera A Bela Adormecida, de Tchaikovsky, estreia em São Petersburgo.

1891  O Carnegie Hall é inaugurado em Nova Iorque.

1900  Sibelius (Jean) estreia em Helsinki.

1902  Claude Debussy introduz o Impressionismo na Música, com a estreia de sua ópera Pelléas e Mélisande, na Opéra Comique de Paris.

1904   É fundada a London Symphony Orchestra.

1908  A maior mudança nos conceitos da música clássica surge com o livro Hanging Gardens, de Arnold Schoenberg. A harmonia e a tonalidade são substituídos pela dissonância, denominada por muitos críticos como “ruído”.

1910  Igor Stravinsky completa sua obra O Pássaro de Fogo, para o espetáculo Ballets Russes de Sergei Diaghilev.

1924   O Bolero, de Ravel, estreia em Paris.

1924  A peça Rhapsody in Blue, de George Gershwin, estreia em Nova Iorque.

1936  Surge a primeira guitarra elétrica.

1937             A Glenn Miller Band estreia em Nova Iorque.

1948  A Columbia Records introduz o primeiro LP (long play) de 33 rpm em Nova Iorque, aposentando o ultrapassado disco de 78 rpm.

1949  Aparecem os primeiros discos de 45 rpm.

1951  O disc-jockey Alan Freed usa o termo Rock’n’Roll para descrever um novo ritmo, derivado dos negros, destinado ao público branco.

1954  Bill Haley e seus Cometas começam a gravar músicas em rock’n’roll.

1957  Leonard Bernstein completa West Side Story.

1963  A onda da beatlemania explode na Grã-Bretanha. Os Beatles (John Lennon, George Harrison, Ringo Starr e Paul McCartney) revolucionam a música jovem em todo o mundo. Os Rolling Stones emergem como os anti-Beatles.

1969  Festival de Woodstock, com presença de mais de quinhentas mil pessoas.

 Referência: (http://www.infoplease.com/ipea/A0151192.html)

Anúncios
Esse post foi publicado em A História da Música. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s